Bursite do Quadril / Tendinite / Tendinopatia / Tendinose / Dor trocantérica glútea

Se você acha que a dor na lateral do quadril (trocantérica) se resume a bursite, você precisa ler este texto!

A dor na lateral do quadril / trocantérica é mais comumente causada pelos tendões, músculos da coxa ou de lesões articulares. 

A bursite do quadril é a inflamação entre o osso do trocanter (figura) e os tendões a sua volta, manifestando principalmente com a dor na parte do lado do quadril. Uma série de causas podem gerar uma dor semelhante, necessitando do tratamento adequado.  

Um aspecto importante, é que no quadril temos várias bursas e não apenas uma única! Observe na figura, 4 das bursas mais envolvidas na dor no quadril. 

A partir daí dá-se para perceber porque não é tão simples resolver um problema em uma região com uma anatomia tão complexa apenas com uma aplicação / infiltração feita às cegas. Por isto a necessidade de sempre tratar as bursas por um método guiado, sendo o de eleição o ultrassom. 

O que causa dor na lateral do quadril?

Em 90% dos casos, a dor na lateral do quadril é causada por uma destas lesões:

  1. Tendinite: a tendinite é o estágio inicial inflamatório do tendão. A persistência da inflamação do tendão acaba por envolver a bursa que está a sua volta. Desta forma fecha-se um ciclo de retro-alimentação: tendinite -> bursite -> tendinite. Com o passar do tempo e a cronificação deste processo inflamatório, o tendão sofre alterações citocelulares, alterando toda a organização das fibras de colágeno passando a fase chamada de tendinose. 

  2. Traumatismo: a tendinite pode ser originada também por traumatismos, diretos, como em quedas ou acidentes e também por carga cíclica com a atividade física excessiva / sobrecarga. 

  3. Artrose: o desgaste da articulação coxo-femoral leva a redução do movimento articular, sendo compensada pela maior ativação tendínea. Assim o tendão glúteo passa a trabalhar de forma constantemente ativada, levando a resposta inflamatória e a todo o ciclo citado acima. 

  4. Doenças metabólicas: as doenças metabólicas como a resistência periférica a insulina, diabetes, acido úrico e triglicérides elevados pode ser fonte do adoecimento dos tendões nos quadris, ombros, tornozelos, punhos, etc. 

  5. Postura Corporal e ergonomia: assim como para todos os demais tendões a postura corporal e a ergonomia é um fator importantíssimo para a persistência da inflamação e lesão dos tendões glúteos. 

  6. Pisada: a pisada "errada" pode ser a "ponta da lança" como fator causal da dor no tendão glúteo. Daí a importância de se fazer a análise da marcha / baropodometria. 

Agendamento pelo WhatsApp

Whatsapp_edited.png
Tratamento das doenças do tendão glúteo: 

 

O estado da arte no tratamento da lesão dos tendões glúteos no quadril está no uso da ultrassonografia, a qual possibilita a aplicação do medicamento com precisão e acertividade necessárias a complexidade da anatomia da região. 

Com o ultrassom é possível aplicar os tratamentos viscobiologicos / viscosuplementação nos tendões agindo de forma antinflamatória e concentrada de nutrientes (biopolímero - glicosaminoglicano)  dando vida nova aos tecidos danificados pelos mediadores inflamatórios. 

Este tratamento é feito no consultório com aplicações mensais, com uma média de 3 sessões, podendo ser repetidas conforme a resposta individual de cada paciente. 

US1.jpg
US3.jpg
Custo e pagamento dos tratamentos: 

Os procedimentos de bloqueio guiados por ultrassom no quadril são custeados pelo próprio paciente, ou seja, são pagos de forma particular. 

O custo do tratamento é individulalizado para cada caso, levando-se em consideração a quantidade de material que será empregado no tratamento e na técnica necessária para a sua aplicação, sendo definido com base na consulta médica, avaliação clínica do paciente e dos exames complementares. 

  • Referências

1.Carmen G. Boeriu, Jan Springer, Floor K. Kooy, Lambertus A. M. van den Broek, and Gerrit Eggink, “Production Methods for Hyaluronan,” International Journal of Carbohydrate Chemistry, vol. 2013, Article ID 624967, 14 pages, 2013. https://doi.org/10.1155/2013/624967.

2.Hunter DJ. Viscosupplementation for Osteoarthritis of the Knee. Jarcho JA, ed. New England Journal of Medicine. 2015;372(11):1040-1047. doi:10.1056/nejmct1215534

3.Henrotin Y, Raman R, Richette P, et al. Consensus statement on viscosupplementation with hyaluronic acid for the management of osteoarthritis. Seminars in Arthritis and Rheumatism. 2015;45(2):140-149.

4.Gross C, Dhawan A, Harwood D, Gochanour E, Romeo A. Glenohumeral joint injections: a review. Sports Health. 2013;5(2):153-9.

5.Wang C-C, Lee S-H, Lin H-Y, et al. Short-term effect of ultrasound-guided low-molecular-weight hyaluronic acid injection on clinical outcomes and imaging changes in patients with rheumatoid arthritis of the ankle and foot joints. A randomized controlled pilot trial. Modern Rheumatology. 2017;27(6):973-980. doi:10.1080/14397595.2016.1270496

6.Coronel P, Gimeno M, Petrella RJ. THU0566 Management of Ankle Sprain with Single Periarticular Injection of Sodium Hyaluronate. Annals of the Rheumatic Diseases. 2014;73(Suppl 2):378.2-378. doi:10.1136/annrheumdis-2014-eular.4875

7.Petrella RJ, Cogliano A, Decaria J, Mohamed N, Lee R. Management of Tennis Elbow with sodium hyaluronate periarticular injections. Sports Med Arthrosc Rehabil Ther Technol. 2010;2:4. Published 2010 Feb 2. doi:10.1186/1758-2555-2-4

8.Bernetti A, Agostini F, Federica A, et al. “Hyaluronic Acid Injections in the Management of Tendinopathies. A Descriptive Review”. EC Orthopaedics 9.4, 2018; 225-232.

9.Oe M, Tashiro T, Yoshida H, et al. Oral hyaluronan relieves knee pain: a review. Nutr J. 2016;15:11. Published 2016 Jan 27. doi:10.1186/s12937-016-0128-2

10.Simone P, Alberto M. Caution Should be Used in Long-Term Treatment with Oral Compounds of Hyaluronic Acid in Patients with a History of Cancer. Clinical Drug Investigation. 2015;35(11):689-692. doi:10.1007/s40261-015-0339-x

Aviso Legal:
Nenhuma das informações contidas neste site visam substituir a consulta com um médico especializado, nem ao menos como recomendação de tratamento. Todas as informações no entanto, são embasadas nos últimos artigos publicados sobre as respectivas áreas da Medicina. As opiniões não tem vínculo com nenhuma instituição. As informações aqui contidas não substituem a avaliação médica. Marque uma consulta presencial ou por tele-atendimento para avaliar sobre problemas pessoais específicos.

 

- Normas da CFM.
De acordo com Art. 8º da Resolução CFM 1974/11 de Publicidade do Código de Ética Médica, os vídeos têm somente caráter de prestar informações de fins estritamente educativos.